Hub Insights

Uma nova estabilidade na taxa de juros de longo prazo dos EUA

taxa de juros

Como uma das consequências da Covid-19, tivemos uma inflação global que, apesar do apontado por vários economistas, se mostrou resiliente, e não transitória, como era a tese geral. E não era para menos: o montante de dinheiro despejado nas economias via impressão monetária e aumento dos gastos públicos foi sem precedentes na história econômica mundial.

Um Federal Reserve que combate a inflação provavelmente manterá a taxa das Fed Funds Rate acima da taxa central de inflação do PCE, sendo mais parecido com as décadas de 1980 e 1990 do que com a década de 2010.

Parece haver uma relação bastante estreita entre o crescimento do PIB nominal e os rendimentos do Tesouro de longo prazo, com o primeiro influenciando de maneira cada vez mais relevante o segundo, à medida que a economia dos EUA não dá sinais claros de arrefecimento.

Com isso, o debate a respeito das taxas de juros dos Estados Unidos mudou bastante ao longo dos últimos meses.

O debate econômico mudou de rumo com a diminuição das preocupações sobre uma eventual recessão, levando os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA a longo prazo a subirem acentuadamente nas últimas semanas.

E o debate sobre a futura política do Federal Reserve passou da tentativa de determinar o pico das taxas de curto prazo para a discussão sobre o período de tempo em que as taxas poderão permanecer elevadas. O resultado líquido foi uma curva de rendimentos menos invertida nos EUA, não porque as taxas de juros de curto prazo caíram, mas porque os rendimentos de longo prazo aumentaram.

Além disso, vários fatores técnicos de mercado fizeram o rendimento das treasuries de prazo mais alongados subirem, como a mudança na política monetária do Japão, além da quantidade de títulos públicos emitidos pelo tesouro nacional dos EUA.

gráfico mostrando a curva de rendimentos menos invertida nos EUA, não porque as taxas de juros de curto prazo caíram, mas porque os rendimentos de longo prazo aumentaram

 

Com a perspectiva de não recessão ter se tornado o cenário base mais popular, houve também uma mudança no debate sobre a inflação de longo prazo. Sem uma recessão, muitos economistas chegam à conclusão de que a inflação subjacente, que a Fed tem como objetivo, permanecerá bem acima da meta de 2% da Fed ao longo de 2024 e possivelmente durante mais tempo.

Além do que, apesar do grosso dos efeitos da política monetária já terem surtido o efeito desejado, o ajuste fino de levar a inflação de volta a casa dos 2%, vindos de cerca de 3%, é um desafio muito maior para o principal banco central do mundo do que ter levado a inflação de aproximadamente 9% visto em junho do ano passado para os atuais 3%.

inflação e taxa de juros

 

Olhando para o passado e analisando os períodos prolongados em que as taxas de curto prazo se mantiveram acima da taxa de inflação prevalecente, parece haver uma relação frouxa entre o crescimento do PIB nominal e os rendimentos do Tesouro a longo prazo.

Isto faz sentido se pensarmos no crescimento do PIB nominal como parte da inflação e parte da atividade econômica real, e ajuda a explicar por que razão os rendimentos dos bonds subiram recentemente.

Dito de outra forma, o período da Fed Funds Rate de 1% sob o FED de Greenspan no início da década de 2000 e depois as taxas de fundos federais quase nulas introduzidas pelo FED de Bernanke após a Grande Recessão de 2008 são valores discrepantes históricos, que não devem ser entendidos como períodos de normalização econômica, por consequência, não devem ser extrapoláveis.

Essas taxas extremamente baixas encorajaram uma procura de yield e popularizaram a visão de que o FED apoia o mercado, usando artificialmente tanto os preços das ações como dos títulos (ou seja, rendimentos mais baixos das bonds). O Fed liderada por Powell orienta-nos que esses dias estão no espelho retrovisor e que os participantes no mercado estão começando a concordar com essa ideia.

Durante o seu discurso no simpósio de Jackson Hole, que foi acompanhado de perto por vários economistas e analistas de mercado, Powell destacou a incerteza econômica que se avizinha e como a gestão de risco continua a ser fundamental no futuro.

Tudo isso deu a entender que o horizonte de taxas mais altos deve ser maior ao longo dos trimestres do que o mercado orginalmente pressupunha. Apesar disso, o fato é que estamos no final do ciclo de aperto monetário, ainda que seja dado mais um aumento das taxas de juros.

Como a leitura do ciclo econômico é crucial para seus investimentos?

A grande lição que o mercado nos ensina diariamente é que prever movimentos macroeconômicos é cada vez mais difícil, apesar de ser uma tarefa necessária para analistas e investidores.

Com isso em mente, no Hub do Investidor contamos com uma carteira de Renda Fixa Internacional, que está exposta a diferentes vértices da curva de juros dos EUA, pronta para capturar valor em vários cenários diferentes!

 

Para conhecer melhor o Hub Internacional, clique aqui.

Compartilhe este conteúdo nas redes socias!

Posts relacionados

plugins premium WordPress