Hub Insights

Banco Central dos EUA mais duro: Títulos de renda fixa vale a pena?

Títulos de renda fixa

Na última semana tivemos reunião de vários bancos centrais ao redor do mundo decidindo suas respectivas políticas monetárias, em especial merece destaque a atuação do Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos, que é o de maior importância sistêmica para a economia global.

Apesar do banco central não ter aumentado as taxas de juros, que continuam oscilando dentro do intervalo de 5,25% e 5,50%, o comunicado de anúncio da decisão, bem como a conferência que o seu presidente, Jerome Powell, foram bem mais “hawkishs” do que o mercado imaginava, tendo inclusive anunciado que podem aumentar os juros ainda neste ano, diminuindo a estimativa de queda para 2024.

Isso fez os mercados de ações caírem de forma relevante e as taxas de juros de longo prazo dos Estados Unidos subirem ainda mais, alçando um patamar de cerca de 4,48%, o maior visto em várias décadas, o que cria inúmeros desafios e oportunidades para os investidores globais.

Com isso, apesar de todos os olhos terem se voltado para as recentes quedas dos mercados de ações após a indicação do Federal Reserve de que manterá as taxas de juros mais altas por mais tempo, há outra faceta do cenário financeiro que certamente merece a consideração dos investidores.

Nos últimos anos, os títulos de renda fixa resistiram a sua parcela justa de desafios, passando por um período notável de vários anos de rendimentos mais baixos, principalmente devido às taxas de juros líquidas zero na maioria das economias desenvolvidas, e várias vezes, inclusive, negativas, o que absolutamente não é atrativo para os investidores.

No entanto, como os rendimentos permanecem teimosamente altos em consequência do quadro macroeconômico atual e como o cenário do mercado de ações parece cada vez mais incerto, esses ativos aparentemente negligenciados podem voltar a ser uma opção atraente para os investidores que buscam a garantia de retornos seguros e de longo prazo.

Existe uma correlação inversa entre o rendimento que as taxas de juros de 10 anos pagam aos investidores e o preço desses títulos. Ou seja, à medida que essa taxa sobe, como vem ocorrendo ao longo dos anos recentes (gráfico acima), o preço desse ativo cai. Porém, a dinâmica observada nos anos anteriores é a contrário: esses títulos remunerando de forma adequada os investidores (tabela abaixo).

Títulos de renda fixa americana e taxa de juros

Existem alguns fatores que dão alguns indicativos de que essa classe de ativo pode voltar a se valorizar ao longo dos próximos trimestres:

  • O enfraquecimento da economia no longo prazo: É provável que uma ampla desaceleração econômica atinja os EUA e a Europa em 2024. (Historicamente, os títulos têm tido um bom desempenho nessas situações).
  • Desaceleração da inflação, apesar da recente recuperação: O BCE parece já ter chegado a um ponto de inflexão, e o Fed prometeu manter as taxas mais altas por mais tempo. Dificilmente veremos as taxas subirem muito mais a partir daqui.

gráfico mostrando como a desaceleração da inflação pode impactar os títulos de renda fixa

Vale a pena observar que há uma desconexão perceptível nos cenários macroeconômicos e nas avaliações relativas quando comparamos os títulos de renda fixa com o mercado de ações neste momento (gráfico abaixo) Normalmente, essas divergências tendem a se autocorrigir, pelo menos até certo ponto, com o tempo.

gráfico comparando os stocks e bonds

Isso não significa que você deva ter pressa para comprar títulos com duração de 50 anos. Em vez disso, uma boa pode ser uma abordagem prudente de considerar a extensão da duration dos títulos em seu portfólio de investimentos, principalmente se você tiver uma perspectiva de longo prazo.

Apenas como uma sugestão, na carteira de renda fixa internacional do Hub, nós aumentamos, recentemente, a nossa alocação em títulos de renda fixa dos Estados Unidos de médio e longo prazo, clique aqui e saiba como replicá-la.

Quando se olha para trás na história, as avaliações atuais são bastante intrigantes, o que poderia tornar os portfólios equilibrados entre ações, renda fixa de curto, médio e longo prazo bastante atraentes novamente, como foi a dinâmica dos anos anteriores à pandemia.

Dessa forma, dada a possibilidade iminente de uma fase prolongada de taxas de juros elevadas, é aconselhável que os investidores revisem cuidadosamente suas estratégias de investimento.

Os títulos de renda fixa, tradicionalmente considerados como uma opção conservadora, podem se restabelecer como um símbolo de confiabilidade e estabilidade em uma economia global marcada por incertezas persistentes. Um princípio fundamental do investimento bem-sucedido envolve não apenas prever as mudanças do mercado, mas também se ajustar a elas.

Os títulos de renda fixa, apesar dos desafios recentes, podem voltar a ser a pedra angular de um portfólio de investimentos diversificado e robusto, oferecendo tranquilidade e a perspectiva de segurança financeira sustentada no longo prazo.

Quer contar com a Inteligência de Mercado da equipe do Hub do Investidor para sua estratégia de investimentos no exterior? Clique aqui e saiba mais. 

AndreTavares

Compartilhe este conteúdo nas redes socias!

Posts relacionados

plugins premium WordPress