Hub Insights

The Merge realizado com sucesso!

The Merge rede ethereum

Nessa madrugada, após anos de preparação e muitas “testnets”, o The Merge foi finalmente implementado com sucesso na rede Ethereum, passo crucial não só para os investidores e usuários da rede, mas para o ecossistema como um todo.

Afinal, qual seria o impacto de um fracasso na maior plataforma de contratos inteligentes existente, certo?

Nas experimentações realizadas nas redes de teste Ropsten, Sepolia e Goerli, tivemos leves entraves com relação ao número de validadores caindo em função de falta de sincronia de clients, motivo pelo qual esse era o fator de maior atenção entre a equipe de desenvolvedores também na implementação principal de hoje.

 

 

Normalmente, estamos acostumados a ver cada blockchain possuindo um só tipo de client capaz de lidar com todas as questões da rede. Para quem não sabe, os clients são basicamente softwares usados pelos validadores para se comunicar com sua blockchain específica.

No caso da Ethereum, no entanto, há dois tipos desses clients:
Clients de Execução: Usados na Ethereum que conhecíamos Pré-Merge e que sempre existiram. Exemplo: Geth, o mais famoso e utilizado deles.
Clients de Consenso: Que entraram em uso agora e estavam trabalhando na Beacon Chain.

The Merge - Ethereum clientsComo podemos perceber na imagem acima, temos 5 clients de cada um dos modelos, o que gera 25 combinações possíveis de interação entre eles, aumentando as probabilidades de alguma falha na comunicação.

Na primeira testnet, a Ropsten, como 25% dos validadores estavam com os clients desatualizados, vimos aproximadamente 14% dos validadores experimentando downtime e gerando algumas reorganizações de bloco.

Esse número foi diminuindo nas testnets seguintes e, ontem, a queda foi baixíssima e menor do que a que vimos em qualquer um desses testes, caindo somente até 94.8% de participação desses validadores.

Cerca de 13 minutos depois, com a finalização e justificação da primeira sequência de blocos da nova cadeia (tecnicamente chamada de Epoch), considera-se que a fusão foi realizada com sucesso total.

Nas primeiras horas pós The Merge, já conseguimos ver alguns efeitos interessantes dentro dos objetivos da rede, como a diferença no comportamento do supply em função de diversos mecanismos, tendendo em direção à diminuição da emissão e aumento da queima de Ethers (que já ocorria desde o EIP 1559) para, quem sabe em algum momento, se tornar deflacionário – o que aconteceu já na primeira Epoch, diga-se de passagem:

The merge efeitos

Em síntese, podemos dizer que a atualização “The Merge” aconteceu da melhor forma entre todos os cenários possíveis. Desconsiderando o evento de criação dos principais protocolos como Bitcoin e Ethereum, vivenciamos hoje a atualização mais importante da história dos criptoativos sendo realizada com maestria pela equipe de desenvolvedores mais experiente que temos atualmente.

Quer saber mais sobre o “The Merge”? Acesse nosso artigo: The Merge (ETH): Entenda o que é e como funciona!

Também contribuímos sobre o tema no site da Investing: Ethereum vai ficar mais centralizada com The Merge! Será mesmo? 

Caio Goetze

Formado em Direito pela PUC-RJ e pós-graduando em Direito Digital pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) em parceria com a UERJ, conta com 3 anos de experiência e diversos cursos de formação acadêmica de bagagem no “criptomercado”.

Compartilhe este conteúdo nas redes socias!

Posts relacionados

plugins premium WordPress