Hub Insights

Como a expansão dos países do BRICS impacta os seus investimentos?

países membros do BRICS

Os países membros do BRICS estão amadurecendo e passam a chamar atenção, em meio a uma Europa que ainda luta para vencer a inflação, uma China com claros sinais de esgotamento do seu modelo adotado há décadas, e um Estados Unidos com juros mais altos que poderá levar a economia para uma recessão.

Durante um encontro anual em Joanesburgo, na semana passada, o bloco de cinco países emergentes – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – anunciou planos de expansão pela primeira vez desde 2010. Em 1 de Janeiro de 2024, os BRICS darão as boas-vindas a seis novos países, são eles: Arábia Saudita, Argentina, Egito, Etiópia, Irã e Emirados Árabes Unidos (EAU).

A expansão estabelecerá ainda mais o grupo como um contrapeso à influência global do G7, catapultando a participação dos grupo no PIB global para 36%, bem como cobrindo quase metade da população mundial. Com dezenas de outras nações a manifestarem interesse em aderir ao bloco, os BRICS estão claramente se posicionando para um mundo multipolar, que não seja dominado pelos EUA e outros membros do Ocidente.

É bastante provável que a ascensão dos BRICS crie oportunidades e desafios para os investidores globais. Compreender o panorama geopolítico, econômico e regulamentar será fundamental para navegar com sucesso neste novo ambiente que está sendo desenhado para o mundo durante os próximos anos.

Talvez mais notavelmente, o presidente russo, Vladimir Putin – falando remotamente devido a um mandado de prisão do Tribunal Penal Internacional (TPI) por supostos crimes de guerra – discutiu a pressão que os BRICS fazem para conduzir o comércio em moedas locais em vez do dólar americano, uma medida que reconfiguraria significativamente dinâmica do comércio global.

A China e o Brasil, recentemente, divulgaram interessem em fazer comércio bilateral em Yuans, ao invés de fazerem em dólar, como têm feito nas últimas décadas. O gráfico abaixo já mostra uma leve tendência de queda da participação do dólar como moeda de troca internacional, apesar de ainda ser, de longe, a dominante.

gráfico mostrando leve tendência de queda da participação do dólar como moeda de troca internacional e sua relação com os países membros do BRICS

Desde a Conferência de Bretton Woods em 1944, o status do dólar como principal moeda de reserva mundial tem oferecido aos EUA enormes benefícios, tais como financiamento mais barato e uma alavancagem sem paralelo sob a forma de sanções financeiras.

Mas agora, com os países do BRICS a procurarem uma alternativa ao dólar (e a aumentar o seu número de cinco para 11 membros), o cenário monetário poderá assistir a uma nova grande mudança tectônica, contribuindo para uma maior volatilidade no mercado do Treasuries, nas taxas de câmbio, na inflação e mais.

No centro desta estratégia está o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), cuja presidente é ninguém menos que Dilma Rousseff, a ex-presidente do Brasil, que sofreu um processo de impeachment no primeiro semestre de 2016.

 

hub fiis

 

Estabelecido em 2015 como uma alternativa aos credores ocidentais, como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), o NDB tem estado a fazer alguns movimentos. A sua recente decisão de libertar obrigações em rúpias indianas e de considerar obrigações em moeda local noutros países reflete a sua intenção de diversificar, afastando-se do dólar americano.

A ex-presidente brasileira e atual presidente do NDB, Dilma Rousseff, partilhou os planos ambiciosos do banco de emprestar entre US$ 8 bilhões e US$ 10 bilhões neste ano, com aproximadamente 30% dos empréstimos em moedas locais. O sistema financeiro baseado nos EUA “será substituído por um sistema mais multipolar”, disse Dilma Rousseff ao Financial Times.

É absolutamente improvável que o dólar americano será completamente destronado como moeda de reserva, embora possamos acabar por vê-lo partilhar o palco de forma mais proeminente com o euro, o yuan chinês, o Bitcoin ou alguma outra moeda.

Na sua lista atual, os BRICS representam mais de 32% do PIB mundial, o que é ligeiramente superior aos 30% do G7; no entanto, o PIB per capita, um indicador de prosperidade econômica, continua a ser uma lacuna que os BRICS precisam resolver com o passar dos anos.

gráfico mostrando os BRICS representam mais de 32% do PIB mundial

À medida que as nações membras do BRICS evoluem e expandem a sua influência, um nível adicional de governança global mais diversificada é inevitável. A atual trajetória promete um mundo onde as potências tradicionais, incluindo os EUA e a União Europeia (UE), deverão adaptar-se às novas realidades.

Como investidor, permanecer ágil será fundamental para conseguir se adaptar às inevitáveis mudanças que essa nova estrutura geopolítica causará nos mercados financeiros globais, e estar atento a esses possíveis desdobramentos fará a diferença para o retorno dos portfólios.

No Hub Internacional monitoramos de perto essas e várias outras variáveis para nos auxiliar na seleção e recomendação dos ativos que fazem parte das carteiras recomendadas.

Para conhecer mais nosso produto, clique aqui

AndreTavares

Compartilhe este conteúdo nas redes socias!

Posts relacionados

plugins premium WordPress